fbpx
NetflixSéries

A história real de Thomas Shelby e os ‘Peaky Blinders’

Thomas Shelby (Tommy) se tornou um dos personagens mais famosos de todos os tempos. Na série “Peaky Blinders”, o líder da família Shelby demonstra frieza e inteligência para resolver problemas rotineiros relacionados aos seus negócios.

O personagem é inspirado em Thomas Gilbert, membro e também possível fundador da gangue. Durante a segunda metade do século XIX, a Inglaterra enfrentava dificuldades econômicas que levaram a uma manifestação entre os mais jovens da população.

Em 1890, os jovens pobres e órfãos oriundos de famílias numerosas acabavam sendo obrigados a recorrer a práticas como roubos, mendigagem e atos de carreirismo. Isso culminava em uma reação direta e eles muitas vezes eram executados por meio de facadas, agressões e estrangulamentos.

Para conseguirem sobreviver, muitos deles se juntavam as gangues de ruas seguindo uma hierarquia simples. Essas gangues praticavam vários tipos de crimes e contavam com a entrada e saída frequente de novos membros.

Os ‘Peaky Blinders’

Em 1890, um grupo acabou se sobressaindo nas ruas de Birmingham. O membro mais poderoso era chamado de Kevin Mooney (Thomas Gilbert). Ele comandava a gangue e usava várias identidades diferentes para se disfarçar. Várias aquisições de terras feitas pela gangue na época foram iniciadas por Thomas.

O artigo do jornal inglês The Birmingham Mail imprenso em 24 de março de 1890, sugere que os ‘Blinders foram fundados por Thomas Gilbert “Mucklow” em Small Heath’, uma das favelas mais pobres do distrito.

O artigo é a evidencia mais antiga da existência de um grupo criminoso organizado. As primeiras ocupações do grupo giravam em torno de ocupação de terras favoráveis. Sua expansão foi notada pela gangue rival chamada “Cheapside Sloggers”.

Membros

Além de Thomas Gilbert, a gangue “Peaky Blinder” era composta por outros nomes como Harry Fowles, Stephen McHickie e Ernest Bayles. Eles usavam roupas feitas sob medida diferente de outros grupos da época. Além disso, uma das marcas registradas da gangue era suas boinas com uma pequena pala achatada e sobretudos.

Amantes e esposas dos membros eram conhecidas por suas roupas luxuosas. No final do século XIX, eles conseguiram estabelecer o seu controle territorial iniciando negócios que incluíam fraude, esquemas de proteção, contrabando, roubo, sequestro, suborno, apostas e manipulação de corridas de cavalos.

VEJA TAMBÉM:
Botão Voltar ao topo